Ela tinha um filho II

Banner Oferta 250x250

Ela tinha um filho II

O Filho

 

Continuação da história anterior

“ Ela tinha um filho I “

 

Seriam para aí umas dez da manhã, levantei-me, e fui fazer o pequeno-almoço. – Não sou lá muito bom em mexer na casa dos outros, mas como tinha fome e embora a minha primeira ideia, fosse pirar-me dali, lá me desenrasquei, e tomei mesmo o pequeno-almoço.

Depois fui até à sala olhei para todo o lado, senti-me confortável e em vez de me pirar procurei um CD de determinada música que eu não tinha e que gostava. – Podia ser que ela tivesse. Procurei e não encontrei, então dirigi-me ao quarto do Jorge (era assim que se chamava o puto).

 

Bati à porta e lá de dentro, ele respondeu prontamente:

– Entra a porta está aberta.

De facto a porta só estava encostada, entrei, disse-lhe que a mãe já tinha saído para a loja, que tratasse com ele o almoço, e ao mesmo tempo perguntava-lhe se tinha o tal determinado CD, pois eu ficaria por ali até ela voltar.

Jorge estava na cama somente meio tapado com um edredão daqueles de penas muito leves que quando nos deitamos nus o seu roçar pelo nosso corpo nos dá uma pica do camandro, (pelo menos a mim dá-me) estava meio dobrado e lendo uma revista, (que mais tarde vi ser pornográfica).

Olhou para mim e sem aquelas, disse:

– Minha mãe só vem lá para as seis da tarde, o que achas se nos aquecermos um pouco os dois? Tira o roupão para ver se ela tem bom gosto.

 

Aquilo era demais para mim, de repente meu pau aumentou de volume, deixei cair o roupão na alcatifa, aproximei-me da cama, afastei toda a roupa, pus-me em cima dele e beijando-o, fui subindo e meti meu pénis rijo na sua boca.

Jorge começou por passar sua língua pela cabeça já molhada e que se movimentava naquela boca quente. Ele acariciou-me os testículos e fui aumentando o ritmo até sentir o orgasmo eminente. Nesse instante tirei meu pénis daquela boca quente.

– Não tires agora! – Pediu Jorge agarrando meu corpo e voltando a meter meu pénis na sua boca.

– Tenho de parar estou quase a vir-me. Disse eu.

-Vem-te na minha boca – disse-me, sem parar de acariciar meus testículos.

– Parece que não estamos a fazer a coisa certa! – Disse eu meio constrangido mas ao mesmo tempo gozando à brava aquelas cenas de comer a mãe e comer o filho.

– Quero-te meu amor, quero que te venhas na minha boca –  mais tarde faremos outras coisas, vais ver que te dou mais gozo que minha mãe.

Eu sentia o calor delicioso dos lábios que percorria o pénis fazendo-o vibrar. Ficou cada vez mais rijo, agarrei-lhe a cabeça puxando-a cada vez mais a fim da minha picha penetrar ainda mais fundo. Jorge chupava-o com força e a cabeça do meu pénis ia ficando cada vez maior. Começou a tirar e a meter a tirar a meter, acabando por entrar num tempo rítmico. A rapidez de movimento transformou-se em violência e depois em loucura, até que finalmente me vim com espasmos e contorcendo todo o meu corpo de prazer e loucura. Jorge não perdeu uma única gota de esperma até meu pénis ficar seco. Quando lho retirei da boca, todo eu estremecia e mais uma vez fiquei exausto.

Jorge virou-se para mim e disse:

– Não penses que isto vai ficar assim, vou fazer de ti o meu amante predilecto e quando voltares a entrar nesta casa, as noites podem ser com minha mãe mas os dias serão sempre meus. Dar-te-ei tanto prazer que acabarás por me quereres só a mim.

Aquela situação era de mais para mim, eu devia estar louco como os anjos, pois já não tinha idade para aquilo.

Jorge puxou o edredão e tapou-nos, depois de se colocar de costas para mim.

Uma hora, talvez tenha sido muito o tempo que passei pelas brasas.

Acordei ainda naquela posição e com o Jorge a agarrar no meu pénis, movimentando-o ao mesmo tempo que ia movimentando a cu ao mesmo tempo que pedia que o penetrasse. O meu cérebro começou a dar faíscas e ao mesmo tempo que o ia abraçando e dando-lhe uns beijos nas costas, verificava que sua pele tinha um cheiro especial fresca, doce e muito mais apetecível que da mãe.

Meu pau começou a levantar-se e ficando hirto e firme como os soldados de honra que estão à porta do palácio da rainha de Inglaterra. Os meus neurónios não paravam até que o Jorge não parava de me masturbar, e tentando meter meu pau daquele cuzinho que comparando, também seria muito mais apertadinho que o da sua progenitora. E era mesmo! Já não podia mais de tanto gozo, uma das minhas mãos foi até do dele que também estava em ponto, e suavemente enquanto o ia masturbando ia-o penetrando com a minha caça linda. Jorge movimentou-se mais um pouco e entre um ou outro ai, indo dizendo para meter de vagar pois era a primeira vez. Eu com a minha treta toda, fui dizendo que metendo a cabeça, o resto era só empurrar. Assim foi, penetrei-o de vagar até sentir as suas bebas nos meus tintins. Entrando naquele jogo do mete e tira ao mesmo tempo que o masturbava meu esperma lá foi saindo convulsivamente enquanto ia sentindo o seu na minha mão. Gememos, demos alguns gritinhos de prazer. Só tirei meu pau de dentro daquele amor que me tira aparecido de mão beijada quando começou a murchar. Virámo-nos, beijámo-nos como dois loucos e ali ficámos adormecendo um pouco.

   

 Chegou a hora do almoço, acordámos, beijámo-nos novamente como dois amantes inebriantes, conversámos um pouco sobre a situação, que não vem ao caso e resolvemos ir almoçar fora.

 

Ele tinha razão, não voltei a ver a mãe mas durante um tempo, fui lá a casa às escondidas só para fazermos amor.

 De facto, troquei a mãe pelo filho. ☺

 

 O Caçador

                                   

produtos

Deixe uma resposta