Arquivo da categoria: homossexual

Auto Added by WPeMatico

Minha iniciação com Gomes

Com 18 anos de idade, atrás da cortina do banheiro, que ficava ao lado da tela daquele cinema, eu fumava um cigarro quando Gomes, que aparentava ter mais de 40 anos, se aproximou e puxou conversa sobre o livro de teatro que eu segurava preso entre o cotovelo e meu tórax…
O filme já estava no final, e assim, saímos conversando até uma praça próxima, quando ele, incisivo, perguntou se eu transava com homens, despertando internamente, de forma automática, um grande desejo de viver aquela experiência, quando respondi que tinha vontade, mas que nunca tivera oportunidade.
“Moro sozinho, próximo daqui” – ele me disse, fazendo um convite para ir até o seu apartamento, o que aceitei prontamente.
Tímido, imitei seus gestos, tirando totalmente a roupa, quando ele me abraçou de frente,beijou minha boca, e com experiência, foi contornando o meu corpo enquanto beijava sutilmente meu pescoço, enfiando de leve a língua em meu ouvido, apertava minhas mamas com uma mão, e acariciava meu pau com a outra, roçando seu pinto duro no rego de minha bunda grande…
Eu tremia de tesão, meu cú piscava e uma sensação indescritível tomava conta de todo o meu corpo, quando ele me sentou na cama, segurou com carinho minha cabeça, e roçou seu pau em meus lábios dizendo “chupa gostoso”… só com os lábios…chupa…
Degustei aquele pinto reto por alguns minutos, até que nos deitamos, e então ele veio por cima, me beijou com paixão, levantou minhas pernas, e com muito carinho, iniciou uma penetração deliciosa, empurrando devagar, me orientando a relaxar a cada centímetro que invadia meu cú, aguardando meu corpo se acostumar à aquela invasão que acontecia pela primeira vez em minha vida, até que ficasse por inteiro dentro de mim…
Pegou minha mão, e sugeriu que eu me masturbasse, enquanto com movimentos leves, ele fazia um vai-e-vem que me dava choques de tesão em cada estocada, enquanto nossas bocas se procuravam para entrelaçar línguas em beijos alucinantes…
Na masturbação, gozei deliciosamente, sentindo meu cú apertar aquele pinto maravilhoso que não parava de me dar prazer…
Ao relaxar daquele clímax, fumando um cigarro, eu sentia como se aquele pau delicioso ainda estivesse dentro de mim, pois era a minha primeira vez, quando Gomes, voltando do banho, aconchegou-se com as costas na cabeceira da cama, abriu as pernas, me puxou de encontro ao seu pinto e falou: “Me faz feliz agora, me faz gozar gostoso como você gozou”, e, delicadamente, passava as mãos em meus cabelos, enquanto eu mamava de leve, passando a língua na cabeça de seu pau, e ao mesmo tempo engolia e sugava, até o momento em que senti a glande aumentar em minha boca, em um jorro quente veio com força para dentro dela, que continuou lambendo, chupando, pois os gemidos de prazer dele, me incentivavam a lhe dar cada vez mais prazer naquela chupada.
Foi uma noite inesquecível, que se repetiu por mais algumas vezes, até que ele fosse transferido de Estado pelo seu serviço, e então perdemos contato, e somente as lembranças ficaram na memória, que ainda hoje, mexem com meu tesão.

Powered by WPeMatico

VINICIUS E EU NA CASA DE PRAIA

Casa de praia e eu sozinho. Tomo meu banho e coloco meu consolo (BG) em cima da cama.
Condominio vazio e nem me preocupei em fechar a janela.
Começo a passar as mãos em minhas coxas grossa e lisas, meus peitos começam a ficar duros e vou sentindo o tesão. Passo creme em mim e no BG e logo me posiciona pra sentar nele. A meia luz, o tesão, me fez escorregar devagarzinho nele. Sentia o BG entrar e rebolava nele.
Gosto de trepar com ele..quantas vezes e onde quero.. sem problema.. Só não goza..as vezes quero sentir o leite na boca e ele nãofaz isso. Mas já estava por satisfeito. Foi uma trepada gostosa e me fez sentir mais leve. Gozei pelo rabo varias as vezes e depois pelo pau.
levantei da cama, lavei meu BG e tomei um banho gostoso. Pronto pra dormir e percebo que na varanda a frente, um cara poderia ter assistido tudo aquilo.
Me fez sinal de positivo e apenas sorri.
-Na próxima me convida, falou meio alto.
– A PRÓXIMA PODE SER A QUALQUER MOMENTO. VENHA QUANDO TIVER PRONTO.
Fechei a cortina e fui deitar de calcinha. Eram quase onze da noite.
O primeiro sono foi gostoso demais. Mas despertei quase as Duas da manha, com um leve toque na campainha.
Assustado e sonolento levanto e vejo pelo olho mágico a fisionomia daquele moreno Jambo,
quase grisalho em seus cabelos curtos, e um sorriso malicioso.
Abri a porta e ele me disse.;
– Estou pronto.. Você está? Sou o Vinicius e você Me convidou e eu vim.
– PRAZER, NINA..SOU VIADINHO.. MAS AGORA?
– Trepada não tem hora.. tem tesão. Falou com um leve bafo de cerveja.
– ENTRA.
– Assim eu gozo..adoro putinhas de calcinha, disse enquanto entrava.
Entrou e me deu um tapa na bunda.
– QUE BOM. PENSEI QUE HAVIA IDO EMBORA.
– Amanha, mas essa noite, vou posar aqui e te fuder, disse me dando um abraço gostoso e um leve bafo de cerveja. Busco por um beijo e retribui.
Aquele abraço e beijo me fez acender ainda mais o tesão.
Ali mesmo, abaixei e comecei a chupar seu pau, que estava meio duro, porem limpinho.
Chupei, colocava ele todo na boca, ia até o fundo.
-Isso Nina minha puta, chupa esse caralho. Chupa bem gostoso.
Me libertei dele e virei as costas, pra caminhar pro quarto, quando ele me segurou por trás, empurrando pra me apoiar na mesa, deixando minha bunda exposta. Sinto força nessa atitude e ele, sem muito trabalho, abaixou e lambeu meu cu.
– ASSIM…ISSO MESMO, LAMBE GOSTOSO MEU RABO. Falava enquanto sentia a língua correr pelo buraquinho. – TESÃO MEU MACHO. ME VIOLENTA, QUERO SENTIR FORÇA NISSO.
Vinicius baixou o short, colocou rapidamente uma camisinha que havia trtazido e puxou a calcinha pro lado, e foi forçando a cabeça do pau quente no rego. A pele com pele fazia eu tremer e senti a cabeça entrando no cu e indo visitar o fundo de meu rabo. Eu gemia e rebolava apoiado na mesa. Vinicius segurava e me puxava pra trás. Cada estocada que eu só escutava o barulho. Por uns dez minutos fui consumido naquela sala. Estávamos suados.

– Vamos pro quarto, quero continuar lá. Na sua cama. No quarto, ele tirou a roupa.
-VAMOS PRO BANHO, AGORA.. REFRESCAR PARA TER MAIS SEXO..
Ele riu e foi. Entrei de calcinha junto no chuveiro e fui me agachando naquele caralho meio grossinho. Chupei bem gostoso ali mesmo, deixando ele de pau duro denovo
Ele me encoxou na parede e passava o pau no meu rego.
-Vamos pro quarto Nina..quero socar gostoso nesse rabo.
Sem demorar estava ele de pau duro na cama, apontado pra cima, e eu, passando creme naquele corpo todo. Já havia chupado e estava com tesão.
-Encapa e senta nele, devagarzinho…rebolando.
– PUTO. AINDA EXIGE…Mas assim eu fiz. Ajoelhei-me com ele entre as pernas e fui sentando devagar. Puxei a calcinha pro lado e encostei o pau na entradinha.
-Tesão Nina, senta gostoso.
– FODE VINICIUS. QUERO SENTIR ELE TODO EM MIM, falava, enquanto rebolava e apoiava minhas mãos no peito dele.
Descia e chupava seus mamilos, isso o deixava ainda mais puto e sentia no rabo o pau pulsar. Vinicius Socou devagar, cavalguei bastante. Já estava suando naquele pau e via nos olhos daquele semi-coroa, que ele ainda tinha muito fogo pra queimar.
– Quero você de quatro, agora.
Nem reclamei, já me coloquei de quatro e empinei a bunda. Vinicius se colocou atrás, passou o pau entre meu rego e pois bem na portinha do já alargado cuzinho.
Sem dó, me puxou pra trás, me atolando tudo de uma só vez.
Confesso que ali eu gritei e gemi alto. Se tivesse mais alguém no condomínio, teria escutado.
– FORÇA CARALHO, SOCA MAIS. COME ESSE RABO COM TESÃO.
Gritava e ele obedecia.
Fudeu bastante nessa posição até eu sentir seu pau engrossare aos gritos, gozar dentro.
Aos poucos, ele foi saindo e percebi que havia muita porra dentro da camisinha.
– NOSSA, QUANTO LEITE DESPERDIÇADO .
– Se quiser, poderá aproveitar a próxima.
Conversamos um pouco mais, levantei e tomei um banho refrescante.
Falamos por um pouco, tomamos umas cervejas e vejo seu pau dando sinal de vida.
-Nina, venha aqui, na beira da cama.
Sentei e ele me fez deitar e colocar os pés pro alto. De franguinho, senti ele massagear meu rabo, minhas coxas, alisava por cima da calcinha o volume de meu pau. Isso e deixava ainda mais com tesão.
– Vou socar gostoso até você gozar bastante agora. Disse, já pondo a cabeça do cacete dentro do meu cuzinho que estava piscando.
Colocou toda a cabeça e eu gemi, do prazer, do álcool ingerido, do tesão, da vontade, eu gemia.
Ele me segurava e enfiava o pau devavar. Eu comecei a pedir por mais, e mais ele colocva devagar, até sentir as bolas batendo na porta do rabo. Vinicius estava todo dentro e começou uma sessão de socadas fortes que quase me partia ao meio. Eu não tinha escapatória a não ser gemer e implorar . Depois de muito tempo, suor e estocasa, eu estava de pau duro e comecei a gemer. Sem querer, estava gozando pelo meu pau, deixando o gozo pela barriga. Vinicius, deitou seu corpo em mim e forçou ainda mais.
-Nina, sua putinha, vou gozar …
Rapidamente, me livrei dele e me coloquei em frente do pau que começava a babar.
fechei os olhos e abri a boca, enquanto ele me puxava pra encontro. O pau entrou na boca e logo começou a tremer e soltar uma grande quantidade de porra que engoli todo. Só larguei o pau quando estava limpinho e já meio mole.
– Tesão demais. Mas agora estou cansado.
Deitamos e dormimos na minha cama. Ao amanhecer, Vinicius já tinha ido.
mas o tesão ficou .
claudiobiguerra@gmail.com hbi36@hotmail.com – Curitiba.

Powered by WPeMatico

FODA COM TRÊS NA SAUNA

Sem nada a fazer, resolvi passear pelo centro de Curitiba na tarde de terça-feira. Dia meio frio, cinzento, começo de tarde. Resolvi encarar uma sauna. Chegando lá, noto que a sauna está meio vazio. Poucas pessoas, alguns coroas, outros e tanto, naquele entre e sai danado das sauna. Como sempre, me arrumo no ultimo degrau da sauna seca e me deito de costa totalmente nu, com a talha por baixo do corpo.

Nessa posição, minha bunda redonda e lisa, fica exposta. Finjo que durmo só pra curtir as pessoas que ficam olhando e de vez em quando alguém se atreve a passar a mão. Não recuso e deixo rolar. Mas nesse dia, com o pouco movimento da sauna, pensei que ficaria somente no relax.

Passado uns 10 minutos que lá estava, entra um cara, estilo 35 anos, poucos pelos, enrolado na toalha. Logo ele se aproximou e sentou também no ultimo degrau, ao lado de mim. Pouco depois já estava passando a mão e minhas pernas e foi subindo. Chegou as mãos nas bunda e levente abri as pernas para deixar mais livre e senti o dedo do mesmo cutucando meu cuzinho , que pelo calor e tesão, estava piscando. Ele colocou o dedo e começou a mexer..me fez gemer e virar a cabeça. Ouvi um riso e ele dizer :

– Esta gostando né putinha???
– SIM..MAS SE TIVER UM DEDO MAIS GROSSO, TAMBEM VOU GOSTAR.
– Quer ir no reservado ?
– VAMOS ENTÂO, disse, já me levantando e saindo daquele calor. O corpo todo suado e nem quis passar na ducha..queria aproveitar cada gota do suor.

Chegando na sala de reservado, já com algumas camisinhas, sentei na cama e ele veio atrás, me oferecendo o pau para ser chupado.
Sem muito esforço, desci a boca naquele caralho meio bomba, querendo dar sinal de vida, e afoguei o mesmo na garganta… fui até as bolas e comecei a chupá-lo como se fosse o mais saboroso sorvete.. Ganhei gemidos e as mãos do cara, segurando minha cabeça no pau.

Chupei até ficar muito duro aquele pau e ele, me empurrou para eu deitar na cama e ficou em pé. Levantei então as pernas e coloquei nos ombros dele que não perdeu tempo em chupar meu cuzinho. Tremi de tesão enquanto ele encapava a vara e encostou a cabeça no buraquinho e foi forçando..

– AI QUE DORZINHA GOSTOSA..QUE VONTADE DE GANHAR ESSE PAU.. POE TUDO..FODE..
– A putinha gosta de vara né??
– SIM.. QUANTO MAIS, MELHOR. FODE..SOCA TUDO.. BATE ESSES OVOS NA MINHA BUNDA..
– Aguenta eguinha… dizia enquanto entrava e saia de meu rabo..
Trepada que fazia correr suor entre nós.. Por uns 10 minutos, aguentei aquele pau no rabo, até ele gemer e gozar dentro da camisinha.
Tirou o pau e ainda me fez chupar a cabecinha dele para limpar.

Agradeceu a transa e disse que iria voltar pra sauna, afinal, poderia recuperar a força e talvez e querer mais.
– SE EU NÃO ESTIVE NA SAUNA, ESTAREI AQUI DEITADO, DESCANSANDO, ESPERANDO POR TI .

Desci e fui pra sauna Umida, onde rolava um boquete e amassos entre dois caras versáteis.
Ora um chupava, ora outro chupava e fiquei assistindo aquela sessão. Achei desperdício deixa-los sozinhos e entrei no meio da rodinha, alisando. Logo estava eu, chupando os paus enquanto eles se beijavam. Um deles, sentou no banquinho de pau duro e me puxou para eu sentar no nervo duro.

Nem deu tempo para pedir camisinha, pois o pau escorregou direto dentro do rabo. Já estava dentro, comecei a rebolar e trancar o pau do mesmo dentro do meu rabo, enquanto ou outro procurou minha boca para eu chupá-lo. A sessão estava boa, quando abre a porta e entra o primeiro carinha que havia me comido. Vendo a cena, disse que eles estavam perdendo uma boa trepada, pois na cama eu era bem melhor.

– Bora então pra cama, disse um.
-Vamos os três dar uma surra de vara nessa vadia.
-ACHO QUE NÃO VOU AGUENTAR.
– Vai sim, sem essa de correr…me disse um, enquanto me segurava pelo braço, me forçando a sair e ir por reservado.
Me vi sendo Obrigado a encarar três caras naquela cama.

Três paus sedento por um rabo que estava sedento por pau.
Relaxei e comecei a chupar um, punhetar outro e sendo lambido por outro..
Logo estava de bunda pra cima, sentindo um rodizio de pau entrando e saidno de meu rabo.
Ora era pau grosso, ora era pau fino. As vezes socavam devagar, outros ligeiro. Sentia que meu rabo estava ardendo de tanto entra e sai.

As vezes, eu queria para um pouco e vinha outro e começava tudo de novo.
Cavalguei enquanto chupava. Fiz franguinho enquanto outro socava na minha boca.
fiquei de quatro ganhando pau na boca.
logo estavam exaustos também. Haviam passados bem uns trinta minutos de sexo dentro daquele quarto.

O primeiro a gozar quis encher minha boca e socou até a garganta. Quase me afoguei com a a quantidade de porra jorrada. Enquanto chupava para deixar o pau limpo, senti o outro que me socava se contorcer e seu pau encher a camisinha em meu rabo.
havia feito dois gozarem, faltava o terceiro que pediu para eu cavalga-lo.

Já não sentia mais aas pernas e sentei naquele pau.
Subia e descia enquanto era apoiado pelos outros que ainda tinha força para baterem seus paus em meu rosto, fazendo dar beijinhos e chupando as vezes.
Logo senti meu fodedor me segurar e me puxar para seu pau enquanto gemia grosso e gostoso num gozo alucinante.

Finalmente, após todos os cacetes gozados e meu rabo dilacerado de prazer, meu pau deu sinal de vida.
Um deles pediu pra eu deitar de pau pra cima e delicadamente chupou meu cacete até eu gozar gostoso, terminando assim, essa foda sensacional. Quero repetir um dia esse ritual .
hbi36@hotmail.com( Skype) claudiobiguerra@gmail.com ( email)

Powered by WPeMatico

ENCONTRO COM JENNIFER EM CAXIAS

Caxias, cidade linda. Estilo Europa no meio do Rgs. Dessa vez, cheguei ao meio da tarde. Encontrei meu hotel, fiz registro, tomei banho e fui no shopping a frente. Tomando um Chopp, notei no meio de tudo uma morena de cabelos liso, bolsa, vestido justo, olhando vitrines e “caçando” também. Um sorriso e um gesto convidando a se sentar junto a mim. Jennifer aceitou e veio ao encontro e alguns chopps depois, já estávamos íntimos. Sem nada a perder, disse que estava hospedado no Ibis do outro lado da Rua e então ela falou :
– Esse hotel é bom, tem ótimas camas e um bom banheiro. Algumas vezes já fui nele, moro quase ao fundo dele, com minha família.
Conversamos mais um pouco e paguei a conta para irmos embora. Jennifer e eu estávamos atravessamos a passarela e no alto, ela disse, acho que vou ter que caminhar mais devagar, se não., não chego em casa. Bexiga cheia.. Rimos da situação.
– QUER PARAR NO HOTEL? ASSIM, VC USA O BANHEIRO E DEPOIS PODE IR EMBORA TRANQUILA. – Posso?? Você deixa? Posso te provocar e te querer na cama do hotel?
– CLARO. DECEPÇÃO SERIA NÃO APROVEITAR AQUELA CAMA..
– Mas nem sempre somos o que pensam de nós…
Fiquei meio sem saber o que havia ouvido. Já no apto. Jennifer entrou no banho, fechou a porta e lá ficou por uns minutos. Saiu, ainda com roupa e me viu sentado na cama olhando TV.
-Posso sentar aqui?? – SiM, respondei.
– Desculpas, mas acho que preciso lhe dizer.: Sou Trans.
Ao ouvir aquilo, vi nos olhos dela um sentimento de culpa.
– SEM PROBLEMA, SOU BI . ADORO AS TRANS TAMBEM. E VC É REALMENTE LINDA, EM NADA ME FEZ PENSAR QUE ERA TRANS. MAS, CONFESSO QUE ESTOU AINDA MAIS FELIZ.
Jeniffer mudou o semblante e me beijou gostoso. Em segundo estávamos ambos nus na cama e entre abraços, sentimos o corpo um do outro. Em nada aquela morena jambo deixava a desejar. Peitos firmes, corpo linear e um pau grande. Comecei por chupar os bicos das testas eescutava os gemidos dela . quando percebi, já estava de pau duro entrando naquela bunda gostosa e sentindo a mesma rebolar. Socava dentro dela e fazia a mesma gemer. Segurei seus cabelos e de quatro, fiz igual a peão. Ela gemia e pedia mais.. Socava gostoso.
– Quero cavalgar você…
Atendi ao pedido dela e me posicionei. A visão da morena rebolando em meu pau, esfregando a bunda nas bolas, peito chacoalhando, ela gemendo e um pau duro apontando pra mim, era uma visão que nunca havia visto. Mas a foda estava uma delicia. Comecei a punhetar ela e senti que meu gozo estava perto. Avisei que iria gozar, Jennifer então se contorceu e apertou meu pau em seu cu, de um certo modo que consegui segurar um pouco mais, enquanto ela punhetava seu próprio pau afim do gozo, que não demorou a chegar. Ela rebolou mais forte e pediu.
-Goza gostoso.. que vou gozar junto… Como ela estava sem camisinha, senti no rosto um jato de porra quente enquanto largava na camisinha dentro dela, meu gozo. Foi sensacional.
Após isso, conversamos um pouco mais e ela se arrumou e foi embora, negando que eu a acompanhasse.
Dormi feito criança e dia seguinte, saindo pro meu compromisso, recebi na recepção o recado:
“ Chego Hoje as 19.00, esteja pronto..Hoje será minha vez de te fazer gozar gostoso”.
O dia passou devagar pro meu gosto, mas ao cair da tarde, estava eu no apto, pronto, já tomado uma dose e de banho completo . Quase pontualmente ela chegou, me abraçou, Foi ao banho e voltou nua, me conduzindo pra cama, me posicionou de costa pra cima e começou a passar creme em minhas costas. Abracei o travesseiro e fiquei curtindo aquelas mãos. O creme descia pelo pelo, pernas e de repente, senti os dedos alisarem meu rabo. Abri vagarosamente e deixei ela acariciar meu cu já previamente lavado . Ela falava coisas obscenas, me chamava de puto, viado e tudo mais… A essa altura, estava já suando e rebolando nos dedos. Jennifer me virou de frente e colocou o pau em minha boca. Suguei todo aquele mastro até os bagos. Sufocava, gemia, me afogava, mas estava delicioso sentir aquele cacete tremer em minha boca. Deixei ele mais molhado ainda, quando jennifer colocou a camisinha e me virou. Prontamente arrebitei a bunda e esperei o contato. Ela sbia fazer… Nossa, sentir aquele pau entrando devagar no rbo, já me fez ficar de pau duro quase gozando. Entrava devagar, sair devagar, entrava rápido e socava fundo. Só tinha gemidos sendo puta pra aquela puta.
Consegui segurar meu gozo e fazia Jenifer gemer atrás de mim.
-QUERO SENTAR NESSE PAU AGORA.
Jeniffer deitou e comecei a descer vagarosamente naquele nervo quente. Rebolava e descia e a cada descia, parecia que o pau dela crescia mais e ficava mais grosso. Meu rabo já começa arder. Eu suava todo, mas queria mais aquela morena me comendo.
De repente, Jennifer saiu, pediu pra eu ficar de franguinho na beirada da cama enquanto ela pegava um creme. De pernas levantadas em seus ombros, ela lambuzou o pau e falou –“Aguenta puta..agora você vai gemer e gozar.” E sem dó nenhuma, socou o cacete no cu. O creme aqueceu meu rabo e sem condições de segurar, gozei pelo cu enquanto ela socava mais e mais. Eu já estava chorando, de rabo ardendo e Jennifer ainda me socando seu pau.
– GOZA GOSTOSO EM MIM, JENNIFER..
– Vou gozar quando e onde quiser, putinha. Você me comeu bem, hoje sou eu te quero, meu gostoso. Rebola..geme, vai.. Levei uns tapas na bunda, mas sem força pra reagir, Jennifer me fez gozar mais uma vez. Tirou o pau duro de minha bunda, voltou a sua bolsa e pegou um consolo. Colocou o mesmo gel e me obrigou a ficar no meio da cama. Posicionou o consolo de uns 20 cms no meio da cama e pediu.: Ajoelha e senta nele. Enquanto eu sentava, jennifer se postou em minha frente e segurando minha cabeça, começoua fuder minha boca… Eu tremia com o calor do gel e o consolo em meu rabo e já estava gozando pela terceira ou quarta vez, quando senti o pau endurece na minha boca.
– Agora vou gozar gozoso e você vai tomar tudo..
Sem pressa, engoli todo o cacete dela e enquanto sentia meu cu inchar num gozo gostoso, sentia minha garganta receber uma grande dose de porra. Só toquei em meu pau e percebi que havia gozado também. Após esse loucura, tomamos banho e fomos comer uma pizza no mesmo local onde nos conhecemos. Ficamos amigos e ainda quero retornar para Caxias. Para mais Jennifer. Uma Morena gostosa que me presenteou com uma foda sensacional, que me deixou saudades.
-Claudiobiguerra@ gmail.com hbi36@hotmail (skype)

Powered by WPeMatico

REENCONTRO COM O JR NO MOTEL

De repente, recebo uma mensagem no email? –Td bem? Afim de repetir?
Depois de trocar algumas mensagens, recebi o numero do JUNIOR, conhecido pelo bate-papo e já descrito num conto aqui ( JB, BG E EU..ORGASMO TRIPO ). Conversamos e acertamos uma saída, porém, dessa vez, queria que com roupinhas.

Hora e local marcado, ele para o carro ao lado do meu, e pede pra eu entrar. Saio de meu carro, caminhando devagar para não troceçar, entrei no carro dele.
– Você se arrumou assim pra mim?
– SIM. E VOCÊ, ESTÁ PREPARADO PRA MIM?
– Claro, mas antes quero sentir sua boca. Um beijo simples, molhadinho e ele me conduziu o rosto para o pau, e ali mesmo dentro do carro, comecei a chupá-lo.

Lembrei-me daquela vez que ele me pegou de jeito no motel. Senti meu tesão aumentar por saber que mais uma trepada gostosa. Aos poucos, JR foi passando a mão em minha bunda, sob a saia que havia colocado e puxando de lado um minúsculo fio dental da minha bunda redonda, senti as pontas do dedos no meu rabo.. JR então, mexeu em algo no carro e começou a colocar algo no meu cu liso, que recebeu sem problema.

– QUE VOCÊ COLOCOU EM MIM?
– Sem problema. É um consolo que vibra com controle remoto. Agora vamos passear um pouco e depois vamos ao motel.

Começou a circular pela cidade e de vez em quando, sem avisar, JR, apertava o controle e então, o consolo vibrava por uns 3 minutos sem parar dentro de mim…aquilo foi enchendo de tesão. Várias vezes e vários locais ele repetiu isso durante a conversa e o caminho pro motel.

Já estava quase gozando pelo rabo, pedindo por um pau maior que eu sabia que ele tinha, quando entramos no apto. Sem pestanejar, abracei JR e acabamos caindo na cama.
Mesmo de roupa jeans e camiseta e eu de meia calça, calcinha e saia, comecei a rebolar no colo dele, enquanto ele apertava o controle. Cada apertada fazia eu gemer mais.
Desci até a calça e abrio o zíper, e novamente comecei a chupá-lo.

JR fazia eu engolir todo seu pau segurando minha cabeça, e quase sem folego, ainda tinha que sentir as vibrações do consolo no cu, que ele se deliciava em apertar.

Gemi e gozei pela primeira vez. Gozei fartamente pelo rabo e com o pau dele em minha boca. Ele estava duro e sem muita resistência, mudou a posição, tirou a roupa, ficou de pé e eu de quatro, encampou o pau e tirou o consolo do cu. Por momento, me senti vazio, mas ele encostou a cabeça no cuzinho enquanto eu pedia.:

– JR, FODE GOSTOSO, COMO VOCÊ ME FEZ AQUELE DIA.
– Você ainda se lembra, sua vadia? Duvidada do tamanho.. falava enquanto deslizava dentro de mim.
Rebolei gostoso e fiz JR gozar em pouco tempo. Me disse que estava a seco por uns dias e ao me ver vestido de putinha, chupando no estacionamento, quase havia gozado .

– SEM PROBLEMA, QUERIDO, A GENTE COMEÇA TUDO DE NOVO, LOGO LOGO.

JR, pediu para colocar novamente o consolo, que assim fiz e enquanto ele se recuperava, eu recebia rajadas de vibrações dentro do cu. Logo, JR se mostrou de pau duro de novo e começamos a sessão mais longa que havia tido de sexo. JR conseguiu segurar pelo gozo o quanto pode e enquanto isso, cavalguei aquele cacete, fiz frango, de 4, de lado, na cadeira, de bunda pra cima. Havia passado quase hora e meia e sentia que JR estava novamente pronto para o gozo.

– ONDE VOCÊ QUER GOZAR? POIS EU JÁ GOZEI VÁRIAS VEZES..
– Quero o mesmo daquele dia.

Levantei, ajustei a calcinha e a meia calça e disse ser sem problema.
JR passou então o creme quente no consolo e colocou na beirada da cama, me obrigando a sentar nele.
O choque, a vibração, o tesão e o rabo quente, me fez quase gozar imediatamente, mas JR ainda pegou uma cerveja, abriu minha boca e colocou um pouco. Sem engolir o liquido, abri para receber oralmente aqueles 22 cms, enquanto ele me fodia bem devagar na boca, com uma das mãos apertava o controle do consolo.

Gemi bastante ao receber uma descaga no rabo e uma dose de porra na boca..
JR estava gozando, gozando muito dentro de minha boca.
Dessa vez, sem pressa… mas com muito tesão..

Descansamos um pouco e mais um banho sem roupinhas no banheiro e mais uma rapidinha.
Me recompus em minhas vestes de putinha.

Saimos do motel quatro horas após sair e claro, até ele me deixar no meu carro, fui levando choques no rabo com o consolo. Ele se divertiu e eu também.
Gozei muito. Obrigado JR por me fazer novamente feliz. Uma putinha feliz .

CLAUDIOBIGUERRA@GMAIL.COM HBI36@HOTMAIL.COM

Powered by WPeMatico

Dei para o motoqueiro da minha loja

(Sem assunto)

EO

everton oliveira
dom 12/08/2018 22:56
Caixa de Entrada; Itens Enviados
Para:
everton oliveira (everton-sg@outlook.com);
Ola,para quem ainda nao leu um conto meu vou me apresenta, sou moreno 1.68 74 kg,cabelo curto,bunda lisa,sou casado por isso faco tudo no sigilo.

O conto de hoje aconteceu a uns 6 anos, na epoca eu era subgerente e fui transferido para uma loja q trabalhava com entrega e fiquei responsavel por esse setor, entao eu tinha mto contato com os motoqueiros,eram 2.matheus e marcelo(que os outros o chamavam de tripe),mas eu tinha mais contato era com o marcelo q era do turno da noite q era o meu plantao,marcelo tinha 1.70. Era branco tinha um corpo normal e nao era mto bonito de rosto nao.tinha 30 anos e era solteiro.ou seja nao tinha nenhum interese nele nao. Eu conversa mto com ele a respeito da entregas e tal como era o sitema essas coisas.entao fomos pegando mais intimidades e tendo mais liberdade,para certos assuntos,
Entao em dado dia q o movimento estava fraco eu perguntei a ele o pq do apelido de tripe,ele deu um sorriso, e falou,hora quem botou esse apelido em mim eram as meninas na minha adolecencia,devido o tamanho do meu documento, eu ri e falei para ele,ah ta,parabens entao.e mudei de assunto,confesso q apartir daquele dia fiquei com isso na cabeca, e comecei a reparar ele melhor,principalmente em seu volume na calca,e dava para reparar q ele nao usava cueca, e aquilo me enchia de tesao,mas claro q eu nao demonstrava,mas me dava desejo nele.Passado alguns dias,entrou uma travesti mto bonita na loja, tinha um corpao,bundao pernao,e estava com um vestido curto e tudo mais,nesse momento marcelo me chama no canto e fala .- ala everton q gostosa, entao falei para ele -tripe? E ela e travesti,ele responde -e o q q tem? Tendo buraco eu meto, respondi a ele serio? Entao entramos nesse assunto,ele disse claro, vc acha q nessas entregas q eu faco nao tem clientes q me dao mole? Tanto mulher como homem, e claro q eu nao disperdico a oportumidade ne? E me mostrou a sua carteira com umas e camisinhas dizendo q anda sempre preparado, e me perguntou se eu nunca tinha tracado um homem, eu desconversei e disse q nao.pois como a loja estava aberta eu nao queria me expor a tal assunto e correr o risco de alguem escuta,logo encerreu o assunto e sai,Se passou 2 dias, e sairam varias entregas, tanto q fechamos a loja e ele ainda tinha 2 entregas para fazer, ele demorou um pouco os outros funcionarios foram ate embora pois ja tinham acabado a limpeza e eu tinha q esperalo voltar p fechar o cx e tal, nesse tempo q ele estava fora comecou a chover mto, quando ele chegou na loja,chegou todo molhado, pois nao tinha levado capa,nao esperava q viria chuva, recebi o dinheiro, e falei p ele esperar q eu ia ver um uniforme de funcionario da loja para ele vesti e nao ir molhado, fechei o cx e subi ate a sala de funcionario e o chamei mara vir comigo, subimos e pedi para q ele esperase ali mesmo,ao pegar o uniforme e me virar me assustei pois ele ja tinha tirado a roupa e estava pelado, fiquei uns segundos olhando para ele fiquei sem reacao e em fim confirmei q o seu apelido de tripe fazia juz. Sua pica mesma mole tinha um tamanho considerado. Entao falei ue ja tirou a roupa ? Ele claro vc nao vai me da outra? Eu disse e mesmo, mas pq ficou pelado.entao ele disse q nao usava cueca, e so tirou a calca e a camisa, entao peguei uma camisa velha no armario e dei para ele se secar fechei o armario nisso o cadeadi cai em frente dele e eu me abaixo para pegar quando eu levanto seu pau estava duro, e eu perguntei a ele.ue? Ficou exitado foi.ele disse sim.pensei besteira quando vc se abaixou e acabei ficando assim,Tomei coragem e como ja estava cheio de vontade naquele pau. Eu disse quem come quieto come sempre,se e q vc entende,entao me abaixei e meti o pau dele na boca, engolia e tirava ficava chupando olhando nos olhos dele, passava a lingua envolta da cabecinha dele, olhando para ele, seu pau duro devia ter un 21 cm ele era bem dotado grossinho, me lambuzei naquele pau, tentava engolir ele todo sem sucesso .ele segurava a minha cabeca e forcava seu pau contra minha cabeca ate eu engasga. Fez isso umas 3 vezes. E entao passei a lingua por todo seu pau,ate chegar no saco, chupava seu saco e batia uma punheta com seu pau, abri a boca e ele batia com o pau na minha lingua e na minha cara me chamado de putinha, entao e fala q quer comer meu cuzinho, tirei a roupa ficando todo pelado, me apoiei na mesa empinando para ele.ele abriu minha bunda com as maos e deu uma linguada maravilhosa no meu cuzinho.eu rebolava na sua cara e dava uns gemidos, botou 1 depois 2 dedos no meu cuzinho e seguia linguando meu cu.nossa q sensacao maravilhosa, entao ele levanta coloca a camisinha deu umas cuspidas no meu cuzinho, e comecou a forca a pica nele,teve mta dificuldade de entrar, doeu seu pau era bem grande para meu cuzinho,entao eu eu emoinava e comecava a rebolar, ate qentrou tudo tanto q ele falava no meu ouvidinho q meu cu era mto gostoso, e mordinha a minha orelha enquando dava as estocadas devagas,eu empinei para ele seu corpo estava encostado todo no meu e eu sentindo aquele pau gostoso pulsando dentro do meu cuzinho se afastou um pouco e comecou a da umas estocadas fortes, e dando uns tapas na minha bunda, sentia seu pau saindo e 3ntrando.ja nao sentia mais dor .so tesao naquele pauzao todo,ja estavamos todos suados, entao elr deita no chao e eu sento no seu colo devagarzinho ate entrar tudo .comeco a rebolar no pau dele e depois quicar en quanto ele aperta com suas mao grandes a minha bunda e dando tapas arreganhando minha bunda, as vezes ele tirava a mao da minha bunda e dava uns tapas na minha cara me chamando de safada, dizendo para eu parar de rebolar pq ele iria gozar.eu o obdeci, entao ele pede para q eu fiqur de joelhos,ele ficou em pe tirou a camisinha e comecou a punheta rapidamente, com obpau na minha boca.ja sentia o gostinho do seu gozo pois seu pau estava todo babado,ate q vem toda aquela porra na minha garganta, o chupo mais limpo seu pau, nos arrumamos. A cbuva ja tinha parado e ele me deu carona ate o centro como era noite fui na moto acariciando seu pau ate la. Tivemos outras experiencias outras vezes mas isso conto depois.espero que tenham gostado, se quizerem entrar em contato comigo por email ou skype everton-sg@outlook.com

Powered by WPeMatico

BETO E EU NO HOTEL.

Recebi mensagem de Beto as 05 da tarde, dizendo que estava a 2 horas da cidade onde moro. Queria me ver. Respondi que sim, mas ainda deveria me preparar. Afinal, não estava nada pronto. Perguntou se poderia ir ao hotel e espera-lo lá.
Juntei as coisas e parti pro Hotel. Fiz check in, e fui pro quarto. Mandei mensagem dizendo hotel e apto pro Beto.
Aproveitei que tinha uma hora ou mais ainda, fui tomar banho, fiz chuca bem feita várias vezes, depilei e relaxei embaixo de uma ducha gostosa. Sai, passei creme no corpo, coloquei calcinha bem justa, tomando sempre o cuidado de tentar esconder o menino o máximo que puder… Meia calça, sutiã com enchimento, peruca com presilha, batom, cremes e um perfume gostoso. A puta estava prontinha e com vontade.
Encostei na cama, tomando uma dose de whisky e fiquei esperando a porta abrir. Acabei por cochilar.
Acordei sentindo uma mão gostosa nas costas..
– Oi Nina.. demorei?
– AHH…OI BETO..ACABEI POR DORMIR. TUDO BEM?
– Sim, embora cansado da viagem.. Vou tomar um banho e já volto pra usar essa gostosura de sua bunda e tudo o mais que vc me der..
Beto deixou as coisas e seguido pro banho. Veio uns dez minutos depois e me encontrou já desperto na cama. Enrolado na toalha, se aproximou da cama e me abraçou.
– Que perfume gostoso vc está usando..
-CREME E PERFUME, MISTURADO O TESÃO E DESEJO, respondi retribuindo ao abraço e ganhando um beijo gostoso.
Senti a pele lisa de barba bem feita no banho, cheiro de limpeza num corpo liso. Comecei a descer minha boca em seu tórax, braços e cheguei onde queria. Naquele pau gostoso e grosso, que já dava sinal de vida. Coloquei todo em minha boca e fiquei de bunda arrebitada e cabeça abaixada entre as pernas deles, provando o sabor e pulsar de um cacete quente.
– Nina, que vontade eu estava de você.. fazia contas para chegar aqui e te encontrar gostosa, minha putinha safada…Adoro seu jeitinho viadinho de ser ..
Enquanto ouvia Beto falar, eu chupava ainda mais. Descia até as bolas e subia apertando como se fosse um sorvete, sorvete que chupei por uns longos e bons 15 minutos. Beto já estava gemendo alto, quando deitou de costa na cama.
– Vem Nina, quero sentir seu rabo comendo meu pau…
Obedeci e me coloquei em cima de Beto, lambendo seu peito, seu pescoço, rebolando com minha bunda em cima de seu pau duro, que procurava meu cuzinho. Coloquei uma camisinha na boca e desci ao cacete encapando ele e ajustando-a com as mãos. Subi novamente até o rosto de Beto que beijou enquanto com a mão, puxava a calcinha pro lado. A cabeça daquele grosso pau enconstou no meio da bunda e aos poucos se ajeitou na entrada do rabo.
-AIIIII.. PARECE QUE ESTÁ MAIS GROSSO BETO.
– Fiquei uns dias sem sexo só pra economizar pra você, minha putinha.
– DELICIA MEU TESÃO, falando e olhando pra ele, fui descendo a bunda e sentindo o pau entrar em mim. – QUE GOSTOSO, TAMBEM ESTAVA ESPERANDO VOCÊ DE NOVO..
Beto foi cavalgado, enquanto suas mãos percorriam meu corpo, ora me massageando, ora me batendo. Estava rebolando meu rabo naquele pau e comecei a sentir BETO gemer mais, engrossar o pau dentro de mim.
– MEU GATO JÁ VA GOZAR??? É???? TÁ TÃO GOSTOSO ASSIM??, falei entre gemidos e rebolados.
– Puta gostosa….adoro quando você geme assim, mexe mais..
E sentindo o pau largar os gozos, senti também as mãos de Beto me puxando pra si…
– Nina, que tesão de viadinho outa você é… Adoro seu rabo.
– ADORO SEU PAU GOSTOSO., PENA QUE GOZOU RÁPIDO.
– Mas não foi a ultima. Vou me recuperar logo..
E assim fez, descansamos um pouco e logo após um vinho, comecei a chupar novamente o Beto, que se fez duro. Pediu pra eu ficar de quarto na beirada da cama. Beto em pé atrás de mim, Posicionou o pau no rabo e foi entrando aos poucos. Socava meio pau e tirava enquanto eu apertava o cacete com o cu. Colocava tudo e socava tudo.
-Rebola Nina querida.. rebola no cacete de seu macho, falava enquanto me segurava pelo quadril.
– FODE GOSTOSO, MACHO SEM VERGONHA, falava enquanto rebolava e olhava pra trás pra ver Beto fudendo meu rabo. TESÃO..MAIS..
Beto se deliciava em ver o pau entrar e sair. Eu me deliciava sentindo ser todo preenchido.
– Nina, de franguinho, quero ver você enquanto gozo. Me ajeitei na Beira da cama, e abri o máximo que pude. Beto segurou minhas pernas e foi entrando em eu rabo que piscava todo.
-Tesão.. que rabo gostoso…quero fuder com força. Falava e gemia ao mesmo tempo
– FODE BETO, DELICIA. FODE SEM DÓ, falava enquanto escutava o som das bolas bater em minha bunda. Comecei a tremer as pernas. Beto que já havia me comido antes, sabia que eu estava pronto pra gozar.
– Isso Nina, vem, solta o gozo..adoro sentir você gozando pelo rabo com meu pau dentro dele., vem menina, vem gostosa, geme pro seu macho, reboollaa.. falava enquanto socava fundo seu volume grosso em meu rabo.
– BETO, FODE MAIS, MAIS….VOU..VOU … e acabei abraçando beto com minhas pernas enquanto ele me envovia em seus braços e beijou gostoso minha boca, tapando para que eu não gritasse do gozo que eu estava tendo…. Senti dentro de mim, o pau latejando e depositando aquele gozo do homem cheiroso que me comia.
Ficamos uns minutos nessa posição, enquanto voltava a respiração e mundo parava de girar.
Beto sai de mim e deixou um vazio e meu rabo.
Conversamos um pouco mais e vi o adiantado da hora.
Tomei um banho, e ao sair, percebi beto dormindo, exalto.
Sem fazer barulho, me arrumei e voltei pra casa. Satisfeito e esperando um novo reencontro.
– CLAUDIOBIGUERRA@GMAIL.COM – HBI36@HOTMAIL.COM – Curitiba (PR)

Powered by WPeMatico

Uma noite no hotel do interior

Este fato ocorreu no mês passado, nesse inverno de 2018. Estava viajando para uma cidade do interior distante de Porto Alegre, tinha anoitecido e a neblina tomou conta da estrada. Na primeira cidadezinha que encontrei resolvi parar, estava muito difícil de prosseguir, entrei na cidade e não encontrei hotel, acabei retornando para a estrada e encontrei um pequeno hotel muito simples, próximo ao acesso a cidade, por sorte consegui o último quarto disponível, acho que pelas condições do clima, muitas pessoas fizeram o mesmo. Estava frio naquela noite, o quarto era muito simples, uma cama de casal, um quebra-luz e um banheiro pequeno. Larguei minhas coisas no quarto e desci para procurar o que comer, a cidade estava deserta, voltei para o hotel e aí fiquei sabendo que eles serviam um prato feito. Os hospedes eram, em sua maioria, caminhoneiros e estavam todos jantando no salão, encontrei uma mesa vazia e pedi minha janta. Logo um sujeito sentou-se comigo e começou a puxar assunto, era bem bonachão, falou que era caminhoneiro e que não tinha conseguido quarto no hotel e teria que dormir na boleia do caminhão, comentei que não deveria ser fácil devido ao frio, ele disse que os colegas já tinham dividido quartos (realmente havia bastante caminhoneiros), conversamos durante a janta, me contou de onde era, para onde estava indo, era casado há quarenta anos e tinha seis filhos. Disse que estava há quinze dias fora de casa e mais um montão de coisas, eu ouvi tudo. Quando terminei fui falar com o proprietário e saber se haveria uma forma de colocar uma cama extra no meu quarto, assim poderia dividir com ele, mas o dono informou que já tinha feito o possível para os outros e não havia como. Voltei para a mesa, ele continuava jantando, contei a ele o que havia tentado, ele ficou bem grato e disse que se resolveria no caminhão. Fiquei pensando na situação, com aquele frio o cara iria congelar. Desejei boa noite e boa sorte a ele e, quando iria levantar e ir para o quarto, ele me chamou e falou baixo, me perguntando se a cama era de casal, disse que sim e ele, em tom baixo disse, talvez, se pudesse dividir a cama, sem frescuras… fiquei parado sem ação por um tempo, mas depois eu disse que iria conversar com o dono do hotel e ver o que faria, o dono me disse que era comigo, por ele tudo bem, pensei mais um pouco, fiquei com medo, afinal não conhecia o cara, perguntei ao dono se conhecia o sujeito, respondeu afirmativamente, que era um cliente frequente e achava que não teria problemas. Agradeci e voltei a mesa, disse baixinho para o cara, meio sem jeito, tudo bem, vamos dividir a cama, pensei que, talvez se a situação fosse a contrária ele faria o mesmo. Ficou contente, me agradeceu e continuou comendo, riu e disse que iria beber mais uma ceva, dei boa noite e disse a ele que iria para o quarto, estava muito frio e queria descansar, ele me prometeu que não faria barulho quando fosse para o quarto. Bom minha maior preocupação era porque ele estava bebendo cervejas e poderia aprontar, mas resolvi ficar frio, tomei um banho rápido e me deitei, estava cansado demais e acabei apagando, deixei somente o quebra-luz ligado para ele. Me acordei quando ele abriu a porta do quarto, embora não tenha feito barulho, largou suas coisas na cadeira ao lado da cama e foi ao banheiro, deu uma mijada daquelas, demorada e forte que fez um barulho na privada, devia ter tomado várias cervejas, tomou um banho e veio para a cama, puxou a coberta para se deitar e acabou me destapando, senti frio e percebi que ele demorou uns segundos para se ditar, ele ficou me olhando e se deitou no outro lado da cama, fiquei cuidando por um tempo, ele apagou a luz e ficou quieto, sentia o bafo da cerveja quando respirava, eu não conseguia dormir, mas fiquei bem quieto deitado de costas, ele respirava forte, achei que estivesse dormindo, por vezes dava alguns roncos. Um tempo depois, senti sua mão encostar na minha perna, pelo lado de fora, achei que era por acaso e não liguei, pouco depois novamente ele passou encostou o lado de fora da mão na minha coxa, fingi que estava dormindo e fiquei cuidando, mais uma vez, mas agora ele passou a mão na parte de fora da minha coxa, me remexi e ele tirou, um tempinho depois, novamente, mas agora com mais força e com intenção clara de carícia, continuei fingindo que estava dormindo, ele insistiu e continuou acariciando minhas pernas por toda a extensão, me mexi, ele parou e continuei fingindo que estava dormindo, um tempinho depois ele se chegou mais perto, pude sentir o calor do seu corpo, passou sua mão áspera e calejada na minha coxa por dentro, desde os joelhos até a virilha, me remexi novamente e virei de frente para ele, a essas alturas não havia mais dúvidas que ele estava tentando me pegar. Ele ficou quieto por um tempo, mas voltou a me acariciar as coxas, agora indo desde os joelhos até a bundinha e voltando para os joelhos pelo lado de trás, sem evitar fiquei todo arrepiado, ao mesmo tempo, mexia no seu pau com a outra mão, sua respiração estava mais ofegante, a essas alturas ele tinha confirmado que eu estava usando calcinha e um baby-doll, me remexi novamente, mas ele não tirou sua mão, apenas parou, voltando a me acariciar, apenas dando pequenas paradas quando eu me mexia, num certo momento, ele me acariciou pelo lado de dentro das coxas, passando sua mão por cima do meu pauzinho, mas não o encontrou porque estava no meio das pernas, ai teve certeza de que eu estava bem mulherzinha e subiu as carícias pelas minhas costas até encontrar a alça do sutiã, voltou e me acariciou a barriga e passou a mão por cima do sutiã, contornou o bojo com a ponta dos dedos, suas mãos eram fortes e calejadas eu me arrepiei completamente e não pude evitar um gemido baixinho, assim ele teve certeza de que eu estava acordado e gostando da situação, desceu a mão e acariciou meu pauzinho novamente, contornou minha calcinha com os dedos grossos, eu tinha arrepios intermináveis, segurou meu quadril firme e forçou para trás, para que eu me virasse, ainda fingindo dormir, me virei de costas para ele, era tudo o que ele queria, suspirou e chegou bem perto, me abraçando por trás, senti sua transpiração e o calor do seu corpo, como estava muito frio, acabei me encostando nele e, claro, ele aproveitou e me encouchou direto, aumentando as carícias nas coxas, por cima, pelo meio, pela frente indo até minha barriga, por trás passando pela bundinha, sempre contornando a calcinha com seus dedos ásperos, sentia suas unhas compridas me roçando a pele, completamente arrepiado e sem evitar eu dei um gemido mais alto e longo, acabei me entregando, ele acariciou minhas coxas e foi subindo até a barriga, chegou nas tetinhas por baixo do sutiã e esmagou os mamilos, não dava mais para mentir que estava dormindo, me virei e perguntei o que ele estava fazendo, ele riu e disse que estava me acariciando, que estava frio e ele ficou pertinho para nós esquentar, eu disse que ele estava me encouchando, ele confirmou e disse que estava gostoso, para eu não ligar e continuar a assim, disse a ele que não era veado, mas ele disse que no frio era bom ficarmos coladinhos e me mandou virar e curtir, como se fosse meu marido, sem saber como, eu obedeci e me virei, deixando ele me abraçar novamente e me encouchar agora mais forte ainda, eu disse que deixaria somente porque estava muito frio, claro que ele nem ligou porque eu estava todo arrepiado e entregue a ele, na verdade acabei dando o sinal verde, ele se aproveitou da situação rapidinho. Abraçado, bem colado de conchinha nas minhas costas, ele me encouchava e me acariciava a vontade, as coxas, a barriga, as tetas, os mamilos, me beijou os ouvidos, mordeu as orelhas, me chupou no pescoço e puxou a minha cabeça para trás para me beijar, tentei resistir novamente dizendo que não era veado, mas ele sussurrou que era um beijo para esquentar, que estava delicioso o arreto, mandou e não resistir e aproveitar o momento, sem mais nada dizer, me segurou e me beijou na boca, enfiou sua língua na minha goela, chupou minha língua, passava sua língua em toda minha boca, estava com forte hálito de bebida, mordeu meus lábios, enfiou sua língua na minha boca novamente, tentava resistir, mas inútil e sem nada dizer, acabei me entregando a situação, comecei a gemer de tesão e me encostei bem nele, ele era bem quentinho, me beijava intensamente e, ao mesmo tempo, suas mãos me acariciavam o corpo todo, me sentia dominado por aquele estranho, estava com meu corpo todo arrepiado e gemia muito, ele aproveitou, baixou sua cueca, pegou seu cacete e posicionou no meio das minhas pernas, levei um susto e tentei tirar, mas ele fazia pressão com suas pernas, me mantendo sob controle e, no ouvido dizia baixinho, não resista, sei que gosta disso, se entregue para seu macho, está gostoso não, descontrolado disse que sim, ele voltou a sussurrar, essa noite será minha mulher, estou a três semanas fora de casa, sem comer minha nega, hoje tu vai ser minha neguinha, vou fazer com você tudo que faço com minha nega e muito mais. Estávamos colados, ele me dominava completamente, o calor do seu corpo estava delicioso, seu enorme pau nas minhas coxas me proporcionava um prazer maravilhoso, ele me comia nas pernas, me beijava os ouvidos, chupava meu pescoço, me acariciava o corpo todo, esmagava meus mamilos e apertava minhas tetinhas por baixo do sutiã, de repente ele tirou seu pau das minhas coxas, fiz movimento para trás com minha bundinha procurando seu instrumento novamente, ele colocou seu pau em cima da minha perna, me mordeu a orelha e disse ao meu ouvido, calma putinha, tudo tem sua ora, vou te comer gostoso daqui a pouco e enfiou dois dedos na borda da minha calcinha e foi descendo pelas coxas, a sensação da calcinha sendo arreada por aqueles dedos grossos e aquelas unhas compridas me roçando a pele era indescritível, o tesão tomou conta de mim, ele abaixou a calcinha até os joelhos, se afastou um pouco do meu corpo, senti frio, baixinho pedi a ele que continuasse coladinho em mim, ele tirou sua cueca, sua camiseta e me pegou novamente por trás, larguei outro gemido de tesão e me encostei bem nele, meu macho riu, colocou seu pau novamente nas minhas pernas, me abraçou e voltou a me comer nas pernas, ele também gemia e estava com muito tesão, me acariciava e me beijava, me fazendo de mulherzinha completa, logo senti um melado quente nas pernas, ele gemeu mais forte e despejou seu pré-gozo em quantidade, dizia que eu era muito gostosa e que ele me faria sua mulher naquela noite e me fodeu gostoso nas coxas, ficamos assim um tempão, ele me melou as pernas e a minha calcinha, gemia e me chupava o pescoço, as orelhas, apertava minhas tetas e meus mamilos, estava completamente entregue aquele macho desconhecido na cama. Seu tesão era tanto que de tempos em tempos ele parava um pouco para não gozar. Depois de um tempão me comendo nas pernas, ele sussurrou no meu ouvido para eu me virar de bruços, entendi que havia chegado minha hora de ser fodido de verdade, um misto de tesão e medo percorreram minha espinha, seu pau era grande e grosso e sabia que iria sofrer muito, perguntei a ele se estava bom daquele jeito e disse que queria que gozasse nas minhas pernas e na minha bunda, ele disse que estava maravilhoso, mas iria me fazer mulher dele, tentei outra saída, me ofereci para chupar seu pau, deixaria ele gozar na minha boca, ele riu se divertindo, disse que depois eu iria chupar seu pau e tomar seu leite sim, mas agora ele iria me comer gostoso e me mandou novamente virar de bruços, preocupado e sem saída, lhe obedeci, seu pau saiu das minhas coxas, lambuzando minha bunda com seu melzinho, ficou frio novamente e senti a falta do meu macho, ele veio por cima, acavalou-se sobre minhas pernas e deitou nas minhas costas, senti o peso dele me esmagando contra o colchão, chegou bem perto do meu ouvido e me mandou abrir minha bundinha com minhas mãos, obedeci, ele esfregou seu pau no meu rego, na portinha do cuzinho, melando bem a entradinha, bateu uma punheta e despejou mais um pouco de melado na portinha, me mandou empinar a bundinha, abrir bem e juntar minhas pernas, posicionou seu cacetão na portinha, me preparei para ser enrabado, ele me abraçou forte, pressionou minhas coxas com as suas, mandou eu morder o travesseiro para não gritar e empinar bem minha bundinha para ele me penetrar melhor, obedeci tudo e meu macho deu a primeira estocada, seu pau era muito grosso, senti meu cuzinho arregaçar, dei um grito mordendo forte a fronha, tentei me remexer, mas meu macho me mantinha preso em baixo dele, baixei a bunda evitando a penetração, ele me mandou empinar minha bunda para não me machucar e abrir bem com minhas mãos e voltou a empurrar, não obedeci dessa vez e me mantive com a bundinha baixa e não abri mais, mas ele não ligou e continuou forçando, meu cuzinho se abriu e arregaçou, estava doendo muito, pedi para ele parar, ele disse baixinho no meu ouvido, putinha, abra essa bundinha e empine bem que vai doer menos, vou te comer de qualquer jeito, resolvi obedecer e ele se aproveitou e estocou forte, senti a cabeça esgaçar meu cuzinho e entrar toda, dei um gritinho novamente, mordendo muito a fronha, meu macho parou com a cabeçona dentro, ficou assim um pouquinho até meu cuzinho acostumar, em seguida voltou a empurrar e foi me penetrando sem piedade, gemendo de tesão e dizendo que meu cuzinho era apertadinho, que nunca tinha comido um cuzinho de veadinho, estava gostando muito, me sentia arrombado, seu pau era comprido, parecia que não tinha fim, senti seu pau cutucar meus intestinos, sentia uma mistura de dor e prazer, tanto que comecei a gozar aquele líquido que a gente larga quando está sendo enrabado, sempre largo esse liquido, mas dessa vez gozei muito o tempo todo que meu macho ia me penetrando, não consegui evitar e me remexi, procurando o mais que possível manter minha bundinha empinada para facilitar a penetração, e ele foi empurrando até que senti suas bolas baterem na minha bunda, ele deu um gemido mais forte e parou no fundo assim todo dentro de mim, eu continuava gozando e me remexendo, ele se divertiu ao meu ouvido e me dizia, isso minha putinha, goza bastante com o pau de seu macho todo dentro, está gostoso não, disse que sim e não conseguia parar de gozar, depois de um tempinho ele foi tirando devagar até quase a cabeça e empurrou tudo de novo, sempre devagar, me acabei todo de novo, sujei todo o lençol, gemia e me arrepiava a cada subida e decida do meu macho, ele sabia muito foder, tirou todo seu pau de dentro e levantou seu corpo, senti frio e empinei muito minha bundinha procurando seu pau, ele me perguntou ao ouvido, o que eu queria, disse que queria que ele me comesse, que me fizesse sua mulher, mas ele não me penetrava e se mantinha com seu corpo elevado, estava com frio e implorei a ele que voltasse a se deitar em cima e me foder novamente, ele se divertia e me perguntou se eu iria ser boazinha com ele, prometi que sim, ele voltou a me esmagar com seu corpo quente, me mandou pegar seu pau e posicionar no meu cuzinho, obedeci depressa e mantive minha bundinha empinada, ele penetrou novamente com força, agora como o cuzinho e seu pau estavam bem lubrificados, entrou de uma só vez e ele estocou forte até o fundo, senti as bolas baterem na minha bundinha, dei um gritinho sempre mordendo a fronha para não fazer barulho, gozei novamente, ele ficou no fundo parado, sussurrou no meu ouvido me perguntando se eu queria ser fodido por um macho de verdade, disse que sim, então ele começou a subir e descer com força, ritmado, comecei a gemer de dor, me remexia, mas ele me mantinha preso em baixo, sem parar me fodia com força, pedi que fosse devagar, ele nem ligou e continuou me estocando forte, não conseguia fazer nada embaixo do meu macho, abri o máximo que pude minha bundinha e procurava cooperar, a cada subida dele, descia minha bundinha e a cada estocada, arrebitava a bundinha, eu gozei muito, dessa vez leite mesmo, dei várias ejaculadas, há muito que não gozava assim, mas não conseguia relaxar com ele me comendo daquele jeito, dava fortes estocadas, as vezes parava no fundo um pouco para não gozar e voltava novamente a me foder com força, eu não tinha mais forças para me manter cooperando, aquele macho não parava nunca e não dava sinais de que iria gozar, me comeu uns trinta minutos sem parar, me babou todo pescoço, me machucou as tetas e os mamilos de tanto esfregar, até que aumentou o ritmo com estocadas ainda mais fortes, senti seu pau inchar e entendi que finalmente iria gozar, deu uma estocada no fundo, gemeu alto e despejou seu gozo dentro de mim, eram tão fortes os jatos que conseguia sentir dentro do cuzinho, foram muitas ejaculadas, quando finalmente terminou, largou seu corpo em cima do meu, me esmagando ainda mais. Ele estava ofegante, respirava com força e foi se acalmando, ficamos assim colados por um tempo, acho que uns dez minutos, até que ele falou que foi muito gostoso, que ele sempre queria comer sua nega no cuzinho, mas ela nunca deixou e agora ele tinha certeza de que era gostoso. Perguntei se ele fazia sexo normal com sua esposa, disse que era so papai-mamãe, mas ele sempre quis um cuzinho, disse que também queria experimentar ser chupado e que amanhã eu iria chupá-lo e tomar seu leite. Apesar do desconforto do seu peso em cima, estava gostoso porque ele me mantinha quentinho, ficamos conversando um pouco, ele me disse que quando estávamos jantando ele já sabia que eu era frutinha, tinha visto o volume nos meus peitos e teve certeza quando foi se deitar e me viu de roupas femininas. Me perguntou se eu tinha gostado, disse que sim, que não costumava gozar quando estava sendo fodido, mas ele me fez gozar como nunca, eu havia gozado muito, disse que ele me fez sentir uma mulher de verdade, uma putinha na cama, suas carícias eram deliciosas. Disse a ele que desde quando começou a me acariciar estava fingindo dormir e estava com muito tesão, que não resisti ser sua putinha, confessei que tinha dado para outros machos, mas ele conseguiu ser um macho gostoso na cama, com carinho e me possuindo como uma mulher, com força e com controle, me senti uma mulher dominada por ele. Seu pau ainda estava dentro de mim e começou a crescer novamente, ele disse que sabia que eu estava fingindo e por isso não desistiu, além de estar a muito tempo na seca, iria me comer de qualquer jeito naquela noite e começou a me beijar novamente, incrível mas seu pau estava duro de novo e começou a me foder, para ajudar dei reboladinhas para ele que aproveitou e começou a foda forte novamente, me chamando de putinha doce, começou subir e descer rápido novamente, seu pau estava muito duro, queria que ele gozasse rápido e ajudei ele a ficar tesudo, subindo a bundinha quando ele me penetrava e descendo quando ele subia, ele ficava louco com esse meu movimento, mas se controlava muito bem e me fodeu ritmando, a cada estocada quando parava no fundo da minha bundinha parado, eu não aguentava, me fazia gozar com uma cadela no cio, sempre dizendo, isso putinha goza no pau do teu macho, goza como uma cadelinha, aproveita um macho de verdade em cima de ti, rebola essa bundinha para teu homem vai, obedeci totalmente, ele não se conteve dessa vez, estava com muito tesão e logo em seguida deu um suspiro e me brindou com seus jatos fortes de porra quente, densa, tudo dentro de mim novamente, sempre me dizendo palavras obscenas e ininteligíveis, ficamos um tempinho assim para descansar. Ele me deu um beijo, me chamou de gostosa, fechei bem as pernas, ele saiu de cima, senti seu leite escorrer do meu cuzinho, não consegui segurar porque estava arrombado e não consegui fechar o cuzinho, seu leite era quente e melado, escorreu até os joelhos, apalpei meu buraquinho e fiquei espantado porque estava totalmente arrombado. Pedi ajuda a ele para subir minha calcinha, ele me ajudou, me vesti e virei para o lado, ele se encostou nas minhas costas, me encouchou novamente e ficou de conchinha comigo, eu estava exausto, dolorido, todo melado, sabia que na manhã seguinte teria que servi-lo novamente. Logo meu macho dormiu e começou a roncar satisfeito, eu custei um pouco porque não parava de escorrer porra do cuzinho, me melando todas as coxas, estava preocupado com o lençol, mas adormeci depois.
Na manhã seguinte ele acordou cedo, me deu um beijinho me dizendo, acorda minha gostosa, está na hora do seu leitinho, me acordei sonolento com ele abraçado, logo senti seu pau duro na minha bunda, me virei e ele me deu outro beijinho, perguntei se não era cedo demais, mas ele disse que tinha que trabalhar, parecia que tinha dormido muitas horas, estava firme novamente, disposto e de pau duro, perguntei se tinha que lhe servir novamente, respondeu que era hora de experimentar uma chupada gostosa, há muito esperava por aquilo, sonolento disse que estava cansado e dolorido, mas ele disse que seria uma mamada e que aproveitaria para me dar um leitinho quente da manhã. Ele tinha dormido pelado e me mandou abaixar e fazer um boquete gostoso nele, meio dormindo obedeci e entrei em baixo das cobertas, o lençol estava melado, me sujei os braços, as pernas e as mãos, cheguei ao seu cacete, estava enorme novamente, duro feito pedra e estava cheirando a rabinho recém comido, voltei e pedi que ele lavasse a piça, mas ele disse que estava frio e para eu chupar assim mesmo, louco para voltar a dormir, peguei seu pau, e comecei a acaricia-lo, comecei pelas coxas, pela virilha, pelo saco, botei uma bola na bola e chupei, depois a outra, lambi bem seu saco, tinha gosto de porra da noite, lambi seu mastro passando língua em todo o entorno, ele começou a gemer, fui subindo, seu pau ainda estava melado, porra salgada e amarga, cheguei a glade, lambi bem, também lambuzada, subi para a cabeçona, estava quente, lambi toda. Abri bem a boca e abocanhei o que pude, era cabeçuda e não consegui engolir toda, voltei no mastro e lambi bem, peguei a cabeça novamente, com a boca bem aberta consegui engolir e fui engolindo o que pude, mal passei da cabeça, o cacete era muito grosso e grande, aí comecei a chupar com força, ao mesmo tempo, com uma mão batia uma punheta no meu macho e com a outra acariciava o saco, as bolas, as coxas, ele se contorcia todo e gemia muito, me chamando de putinha gostosa, que delícia, ele estava muito tesão, mas também com tesão do xixi da manhã, porque deixou escapar um jatinho de xixi na minha boca, para não sujar os lenções mais ainda engoli, em seguida meu macho se derreteu em melados na minha boca, despejou uma grande quantidade de pré-gozo, engoli tudo e continuei chupando ele muito forte, ao mesmo tempo que batia uma punheta, estava cansado e tentava parar, mas ele pegava minha cabeça e voltava a me fazer chupá-lo, ficamos assim muito tempo, ele era duro de gozar, convidei ele para irmos ao banheiro para não sujar a cama, mas ele disse que eu teria que tomar todo o leite e continuava gemendo e se contorcendo, ei tinha medo de não conseguir dar conta da quantidade de leite, tinha visto na noite anterior a enormidade de porra que ele despejou dentro de mim e fiquei atento. Um tempão depois, ele gemeu mais alto, senti quando seu pau inchou, as veias latejaram, ele segurou minha cabeça com força me mantendo com todo o pau dentro da boca e o primeiro jato de porra muito quente e densa foi parar na minha garganta, quase me afoguei, mal tinha conseguido engolir e outro jato forte na guela e mais um, me esforcei o que pude para engolir, pois ele me mantinha com a cabeça firme e presa com seu pau dentro, mais dois jatos densos e quentes quando estava engolindo outros dois foram despejados, aí não consegui evitar e deixei escapar pelo canto da boca, escorrendo pelo saco do meu macho, engoli todo e outros três jatos de menor intensidade foram despejados, ele sempre me segurando a cabeça, engoli todo o leite dele, que estava muito quente e denso, meu macho foi se acalmando com outros vários pequenos espasmos tudo dento da minha boca, por fim, ele soltou minha cabeça e deu mais duas cuspidas de porra, me mandou ficar com seu pau na boca até amolecer e senti ainda alguns pingos de leite. Quando seu pau finalmente ficou mole, ele pegou minha cabeça e afastou e me mandou limpar a porra que eu tinha deixado escorrer no seu saco, lambi tudo e o deixei limpo, tomei muito leite naquela manhã, ele me puxou para cima e disse que estava satisfeito, mas com uma enorme vontade de mijar, me disse que iria tomar um banho e descer para o café, depois voltaria para se despedir. Assim saiu da cama, senti frio sem meu homem, ele mijou muito, tomou banho e se vestiu, me deu um beijinho e desceu para tomar café. Voltei a dormir. Tempo depois me acordei com a porta se abrindo, meu homem estava de volta, veio até a cama e me entregou um papel, disse que era o endereço e o telefone dele, quando eu fosse na sua cidade, queria me comer de novo, disse que quando fosse levar uma carga para porto alegre iria me procurar para me foder. Me levantei, nos damos um abraço, ele me beijou, me disse que eu tinha sido a melhor mulher dele, que nunca tinha gozado tão bem e que queria me ver novamente. Disse que sim, pegou suas coisas e foi embora. Foi uma noite e tanto.

Powered by WPeMatico

O eletricista que arrombou meu cuzinho

Sexta-feira pela manhã, como todos os dias, minha esposa saiu cedinho com meu enteado e me avisou que o eletricista já estava na sala fazendo o serviço e depois viria pro quarto pra dar um jeito na lâmpada que insiste em queimar, estava com um shortinho de malha fina e cavado, como sabem aqui em casa meus shortinhos são normais e sempre compro um mais ousado que o outro, minha esposa adora esse meu fetiche de ser sua mulherzinha, bom, de shortinho e deitado de de bruços, antes de sair minha esposa disse, levanta e veste uma roupa de homem homem rsrsrs, ta bom, disse que a ela é virei pro lado e dormi de novo, antes de sair, minha esposa puxou o cobertor me deixando exposto, ouvi um barulho no quarto e abri os olhos e vi o rapaz colocando uma escada pra alcançar a lâmpada, aí me lembrei que estava só de shortinho enfiado na bundinha e com metade da bunda pra fora, resolvi fingir que continuava dormindo, ei moço, ele chamou, insistiu um pouco e foi fazendo o serviço, enquanto ele arrumava a lâmpada e aproveitei pra ver o rapaz, corpo normal. Magro e alto, sem camisa me arrepiei, me virei na cama ainda fingindo dormir, ahhh não aguento mais, disse o rapaz descendo da escada, ficou um pouco parado ao lado da cama e pude ver pelo reflexo da janela que me olhava e, em seguida vi ele tirar a roupa e ficar nu, com delicadeza tocou de leve minha bundinha e como não viu reação começou a alisar e apalpar minha linda bundinha, beijou e lambeu meu rabo me fazendo gemer baixinho, parou um pouco e foi tirando o shortinho, contemplou minha bundinha e deu uma palmada bem forte, soutei um aiiii, em seguida respondeu, ahhh quer brincar né??? Rindo caiu de língua no meu cuzinho, me deu a pica pra mamar e chupei bem gostoso mesmo, se posicionou atrás e deixou o corpo cair introduzindo a vara até o talo, travou meus braços e começou a bombar na minha bundinha, aí percebi que ele tinha uma pica grande, muito grande e grossa, tentei fugir pois estava doendo pra caralho mas ele me travou nessa posição,pedi por favor tira meu cuzinho tá doendo muito, ele com as duas mãos me travando e com as pernas travando as minhas, estava preso e tendo o cuzinho esfolado, cara doía pra cacete, comecei a chorar pedindo pelo amor de Deus para, mas ele não dizia nada e seguia fudendo meu cuzinho com força, de vez em quando diminuía o ritmo talvez pra ficar mais mais tempo sem gozar e fudendo minha bundinha grande redondinha e empinada. Além de estar lisinha pois havia raspado na noite anterior, eu chorava de dor mas já não tinha forças pra tentar reagir e comecei a implorar, goza, goza, enche meu cuzinho de porra, acho que ele ficou louco e vombava ainda mais forte e gozou, e a cada gozada dava uma estocada profunda que doía ainda mais. Gozou e quando pensei que era o fim do meu sofrimento o cara continuou socando em mim já quase não aguentando mais, ele gozou novamente, levantou e ficou na minha frente punhetando a pica que deveria ter uns 25cm e grosso pra cacete, mandou eu mamar e mamei, depois de um tempo ele punhetando e eu mamando gozou de novo na minha boca, aí relaxou, que viadinho gostoso disse dando uma palmada na minha bunda e enfiando o dedo no meu cuzinho esfolado. Saiu do quarto levantei com dificuldade e ele já havia ido deixando uma ficha de serviço que seria pago posteriormente, com dificuldade fui tomar banho e ao lavar meu cuzinho senti o quanto estava esfolado e doía muito. Bom, que delicia de foda. Acho que vou querer mais disso!!!!

Powered by WPeMatico

Copa do Mundo – Brasil x Belgica

Meu amigo Jô, me convidou para assistir o jogo com ele, Jô e um cara de 44 anos, separado, moreno, alto, tem 1,95 e pelo tamanho deve pesar uns 130 kg, sacana pra cacete, disse que podia ir só com a boca, pois ja tinha comprado as cervejas e as carnes para um churrasquinho durante a partida.
Uma mistura perfeita, churrasco, cerveja, futebol e dois caras sacanas, não restou outra alternativa de fazermos uma aposta, eu apostei na vitória da Belgica e ele na do Brasil, e a paga da aposta seria executarmos alguma tarefa, uma prenda.
Como a Belgica saiu em vantagem, fiz com que ele pagasse fazendo churrasco pelado, eu até pensei que ele iria se opor, mas como bom sacana, nao titubeou, tirou toda sua roupa, mas me ameaçando que se o Brasil fizesse um gol, iria me fuder.
Logo veio o segundo da Belgica, e cobrei a tarefa, de tocar uma punheta ali na hora, em minutos ele estava com a pica em riste, ele então ensaiou uma vingança, que brasileiro que torcesse contra o Brasil deveria se fuder mesmo, e logo veio o gol do Brasil e a prenda que tive que pagar, era mamar naquela piroca.
O jogo ficou em segundo plano, cai de boca, até ele me encher a boca de porra.
Como vitorioso, já dominado, eu quis receber o troféu, então já totalmente despido, ajoelhado numa poltrona, mostrei a ele onde queria que colocasse o trofeu.

Fui atendido com uma senhora pirocada, me fazendo gemer alto e gritar gozando.
O jogo ficou assim. 2 x 1

Powered by WPeMatico